sábado, 11 de fevereiro de 2017

Artigo publicado na revista PROVE 2016

Tecnologias na Educação, fazer o quê?
        Tecnologias na Aprendizagem
Douglas Ferreira Tomé[1]

Estamos caminhando para a finalizar mais uma década com transformações tecnológicas fantásticas. Você olha para os lados e observa pessoas conectadas, enviando mensagens, “fazendo” selfie, ouvindo música, assistindo televisão, compartilhando sua vida nas redes sociais.

Mas, e nossos alunos? E a escola? E os professores?

Após anos de formação ainda temos um grande desafio em utilizar as ferramentas tecnológicos e recursos disponíveis. Tudo ao nosso dispor, mas com grande dificuldade de ser utilizada pelos professores.

As formações deste ano aconteceram cursos presenciais e em EAD.  Tivemos momentos de discutir o uso das tecnologias e de realizar atividades aproveitando os ambientes virtuais de aprendizagem.

Na formação estudamos o “Por que usar tecnologias?”, onde os participantes relataram a importância de utilizá-las no ambiente escolar, observando que as crianças chegam na escola já com a habilidade de mexer em tablets, computadores, smartphones, entre outros. Assim, a sala de aula precisa integrar de forma dinâmica os recursos disponíveis para a interação e integração de conhecimentos.

Também realizamos atividades utilizando o Edmodo[2], plataforma que registrou a participação de cada integrante, sendo um espaço de interação, mas principalmente servindo para que os professores observassem a possibilidade de utilização com seus alunos. Afinal, é a partir de uma ideia que podemos ter novas ideias e melhorá-las.

O Padlet[3] foi uma nova ferramenta utilizada no curso. Ele é um mural virtual sendo possível o registro de atividades a partir de textos, imagens e vídeos, de forma muito fácil.

Criar um blog educativo foi o momento onde os professores tiveram que pensar nos alunos, afinal o blog seria e será utilizado para a aprendizagem, incorporando os recursos utilizados no curso. As ideias que surgiram foram criativas e os blogs foram elaborados explorando diversos temas, por exemplo, uma das participantes criou um blog que discutia a convivência na comunidade escolar e outra utilizou o blog para falar sobre a importância da leitura. Nestes blogs foram utilizados os diversos recursos disponíveis para facilitar o processo de interação/registros dos alunos.

Exploramos ambientes virtuais de aprendizagem. UM deles foi o Khan Academy[4], um portal que explora as habilidades de matemática onde os alunos realizam os exercícios no próprio ambiente virtual, acompanhando as vídeo-aulas e recebendo o feedback ao finalizar cada resposta. O professor tem a possibilidade de acompanhar todo o desenvolvimento, podendo recomendar os passos de cada um de seus alunos e visualizar o desempenho de suas turmas.

Todos sabemos da importância do uso das tecnologias no processo de ensino/aprendizagem, temos os recursos, participamos de formação e estamos iniciando o processo de aplica-los em sala de aula. O caminho ainda é longo, mas já começamos a traça-lo de forma criativa e envolvente. O futuro mostrará que esta dinâmica provocou uma “transformação” na educação escolar de nossos alunos.

A seguir vamos ver o que pensam alguns participantes do curso.

As novas tecnologias da informação estão transformando o comportamento e a forma dos indivíduos se relacionarem. A interatividade e a velocidade desses meios tecnológicos podem facilitar o acesso ao conhecimento, porém esse universo virtual apresenta alguns riscos para a geração da era digital.

Segundo Didonet[5] (2009) o conceito de infância “existe, exatamente por ter sido produzido, não sendo, portanto, um dado biológico”, sendo assim “a infância tem a ver com história e cultura, sendo uma produção dela em determinada época”.

Os alunos do século XXI fazem parte da Geração Net, ou seja, uma geração que cresce cercada pelas mídias digitais.

A Geração Net possui a liberdade de fazer suas escolhas dentre as inúmeras possibilidades oferecidas, as crianças não são mais observadoras passivas, elas controlam o seu meio e por isso existem questões que requerem a administração dos adultos.





Os professores não podem estar alheios a essa nova realidade. É preciso incorporar em sua didática/atividades que envolvam a tecnologia.



[1] Douglas Ferreira Tomé – Professor Orientador de Informática Educativa – POIE, da Emef Mauro Faccio Gonçalves – Zacaria e Especialista em Tecnologias na Aprendizagem. Formador do curso: Tecnologias na Aprendizagem EAD e Presencial – PROVE 2016.
[2] Registro das discussões no Edmodo - https://www.edmodo.com/home#/group?id=20431001
[3] Padlet – Mural Virtual - https://padlet.com

[4] Portal de Matemática Khan Academy: https://pt.khanacademy.org
[5] Referência Bibliográfica: DIDONET, Vital. A desinvenção da infância. Revista Pátio – Educação Infantil, ano VII, nº 21. Nov.:2009.

Nenhum comentário: